quinta-feira, 3 de março de 2011

Estações que vão ficando para trás.



Cada estação do metro que fica para trás me trás uma lembrança, e eu, meio que sem notar, monto nossa historia como se fosse um quebra-cabeça. O trem passa tão rápido quanto o tempo em que tudo aconteceu. Em ruas estranhas ou até mesmo conhecidas já estive com você andando de mãos dadas e sorrindo pro vento. Talvez eu jamais tenha sido tão criança quanto fui quando, dentro do trem, uma folha branca ou dados-de-brinquedo nos fizeram esquecer do tempo e quase não notar as estações passando. E ontem, enquanto tudo o que passava na janela ao lado me trazia pedaços de nós dois, eu sentia vontade de voltar, seguir o sentido contrario e te falar o que não consegui olhando nos seus olhos. Senti vontade de voltar, sentar naquele banco no meio daquela feirinha-de-sabado e ignorar o som do tempo que passava em cada relógio de pulso daquelas pessoas. Senti vontade de te olhar como quem deseja tocar. E no eco do som-aviso antes de cada estação eu já me encontrava perdido em pedaços-de-lembranças do seu sorriso que sempre me chama de besta, e talvez eu seja, talvez eu só queira ser besta e não ter a noção que o tempo esta passando e que ainda tenho algumas estações antes de chegar no meu destino, e pior, ainda tenho um resto de semana com o relógio de companhia e um leve cheiro do seu perfume sobrado em minha camiseta.

Um comentário:

  1. respirei fundo para não chorar!

    lindo de morrer o texto.

    Abraços
    ;)

    ResponderExcluir